terça-feira, 29 de junho de 2010

O DIA EM QUE EU QUIS QUE O DIA FOSSE NORMAL

O dia em que eu quis que o dia fosse normal estava chovendo pacas. O dilúvio acontecia no Rio de Janeiro. Pensei até em pegar carona na Arca de Noé, mas acho perdi o timing e ela passou. Então resolvi pegar o ônibus mesmo.

O dia em que eu quis que o dia fosse normal, meu trabalho tava um saco. Mais chato do que nunca. E pra variar me mudaram de mesa duas vezes.

O dia em que eu quis que o dia fosse normal, tava rolando a merda do protesto sobre os royalties do petróleo. Cheio de gente baderneira e sujeira mais do que o habitual na rua atrapalhando a gente de andar. Sem falar da chuva.

O dia em que eu quis que o dia fosse normal, peguei a merda do ônibus errado. Tinha que ir pra zona norte e peguei sentido zona sul. Era pra eu chegar as 19h na aula mas ...cheguei às 20:10h. Quase no final.

O dia em que eu quis que o dia fosse normal, com muita chuva ainda, fui pra casa tranqüila e calma. Nem sei como. Mas o pior ainda estava por vir. Afinal, o dia ainda não havia terminado, logo, hahaha, havia tempo para mais surpresas; e por que não?
Quando chego no portão de casa e ponho a mão na bolsa...cadê a chave? Procurei na bolsa inteira, na nécessaire e não encontrei. Pulei o portão e fui para os fundos da minha casa. Lá, abri a janela do meu quarto na esperança de ter deixado a chave na janela, mas não deixei.

Fui na casa do vizinho e perguntei se ele tinha alguma chave pra me emprestar pra eu tentar abrir a porta. Ele me emprestou um molho de chaves e nenhuma abriu. Voltei e disse que pra ele que não tinha conseguido. De repente ele olhou pra janela do quarto da minha mãe e disse: e aquela janela ta trancada? Meus olhos brilharam por que sabia que não estava. Abri a janela, tirei os sapatos e pulei na cama. Enfim, em casa. Dentro de casa. Fui procurar o raio da chave e vi que ela estava na porta dos fundos. Tinha esquecido mesmo e não tinha qualquer chance de pegar.

Agradeci meu vizinho por toda ajuda. Finalmente, podia sentar, comer, tomar banho e dormir. Normal, como todos os outros dias que eu desejei que não fosse.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

O MITO DA CHIQUITA BACANA, A JAGUATIRICA E A BANANA



Durante algum tempo vim observando as mulheres. Especificamente
alguma delas; e eis q no banheiro me surge a dúvida: por que a mulher
bonita incomoda? Pior, por que a mulher bonita e legal incomoda mais
ainda? Fiquei encucada com isso, mais pensei um pouco e achei uma
resposta que pode não ser a melhor delas.
Eis que estamos, nós, jaguatiricas ranzinzas com seus machos, o jaguatirico
ranzus. Té ai tudo bem. E eis que passa na nossa frente uma chiquita
bacana, toda se achando e toda se querendo. A resposta dessa soma
concerteza é briga. Mas...por que brigamos? Será o benedito do ciúme?
Inveja, ou vontade de ser o que não é? Não sei, cada um com seu cada qual,
mas o que pensei é que a autoconfiança é que incomoda. E isso mulher
bonita tem. Mas...e a bonita e legal? Porra, essa é de matar né?! Além
de bonita a tal da chiquita bacana ainda tem que ser legal, puta merda!
A metida por exemplo a gente põe uma porrada de defeito mas a legal,
bacana, super altoastral, solicita? Não tem defeito . E o pior é que elas
querem ficar suas amigas. Só rosnando! O engraçado é que de vez em
quando você vê uma jaguatirica e uma chiquita brigando, brigando por
causa da banana nanica. Sinceramente, não brigaria nem se fosse banana
D'água e machos; todos tem o seu valor, mas pra nenhum paga-se esse
preço, seja ele qual for.

sábado, 26 de junho de 2010

Jesus dos Dentes

Eu não era bêbado e nem vivia drogado, mas encontrei Jesus. Jesus dos dentes.

Eu tinha 15 problemas bucais. Não usava Colgate. Detestava fio dental. Nunca passava o raio do fio. Até que um dia tive uma puta dor de dente. Dor daquelas de você querer bater a cabeça na parede, sabe como é?
Fui correndo para o pronto socorro mais próximo. Disse à atendente o que estava acontecendo e...eis que vem o cara de branco.
Pensei logo: putz! Já era.
É agora que eu me f...!
O cara veio e me disse: venha, vamos para a sala.
Fui cheio de medo.
Até pensei em voltar, por que sabia que o que estava por vir era muito pior. Tipo sala do Dr. Frankenstein. Só que ao invés de trocar o meu cérebro ele iria arrancar meu dente. Isso se eu não acordasse sem todos os dentes. Sentei na cadeira do dentista e disse para ele o que estava acontecendo e ele disse: é...vamos ter que arrancar.
Caíram vários raios nessa hora.
Pensei: caralho fudeu nessa porra! Agora que eu vou morrer.
Só escutava o barulho dos instrumentos sendo colocados na bancada. Que nervoso que dava.
De repente um silêncio. Me distrai por um segundo.
Quando olhei pra frente e vi aquele açougueiro com a seringa na mão...fui. Desmaiei. E foi nessa hora que vi o Homem. Encontrei Jesus. Jesus dos Dentes.
E ele disse: Meu filho, o que há de errado com você? Porque você não cuida dos seus dentes? Já iluminei tantos cérebros, para que eles inventassem maravilhas como enxaguantes bucais...fios dentais...escovas macias...limpadores de língua. Por que tanta rebeldia?
E eu disse: é... pois é....a vida né? Corrida...
Porra nenhuma! Falta de vergonha na cara mesmo. Mas já conhecedor da peça...afinal, ele tem olho que tudo vê; e disse pra mim: por acaso você limpa meia bunda? Dá meia foda? Então por que quer limpar meia boca? Se liga! Vai perder um dentinho só pra deixar de ser otário. DR., taca essa anestesia aí...HAHAHAHAHAHAHAHAHA.
E sumiu no meio de nuvens e luzes brancas.
Pensei: pronto! Morri!
Um tempo depois, bem de longe ouvia uma voz falando: oooou! Acorda!
Acordei no susto. Já tava achando que tava apanhando do cara. Mas era o dentista. Menos mal. Pelo menos não tinha morrido. Já pensou? Imagina, chegar no céu e me perguntarem: e você filho? Morreu de que? Eu? Eu morri de dente!
Sei que no final das contas, tava com a boca mole, a gengiva costurada e dente no lixo. Graças a Deus que esse sonho / pesadelo tinha acabado. Saí do hospital, passei na primeira farmácia que vi e comprei meu kit boquinha. Fui. Feliz da vida. Nunca mais quero saber de hospital, Dentista Frankenstein e Jesus...Jesus dos dentes.
OBS.: Ele era igual ao cara!

Show da Banda Dr. Frankestein


Essa foto ai do lado é da passagem de som da banda.
A noite estava fria, o local tava bem quentinho, e a galera se aquecendo.
O show foi no Bar To Dentro na lapa (Gomes Freire pra ser mais precisa). A casa é bem aconchegante, chãozinho de madeira, luz quente e espaço pra dançar. A noite começou com a banda da casa tocando vários sons legais pra dançar. Então, depois de duas caipirinhas com cachaça de Itauna tava dançando tudo.
Ai, veio a Banda Dr. Frankstein.
Banda maneira que toca um blues melodico, quebrado e cheio de peso. Muito bom mesmo! Tão bom que a galera não queria que a banda saisse do palco. Geral dançando ao som do blues da banda. Clima alto nível, gente com boa vibe e o mesmo tempo intimista. Todo mundo brincando, todo mundo falando com todo mundo....enfim, clima de festa feita em casa.
Casais nos cantinhos, gente sumindo, gente aparecendo, gente se achando, gente se perdendo...e um corredor "polonês" muito louco na ida pro banheiro. Ainda bem que fui acompanhada - kkkkkk.
Tava tão legal que saí de lá 4:00h da manhã. Ainda bem que no dia seguinte só fui trabalhar às 14h. Afffffff.....
Para uma festa que achei que seria curtinha, foi bem acima das expectativas. Ainda mais regado ao som de blues.
Foda! Nota 9 pra night.
Bjo povo!!!